logo
logo

Category : Biblioteca

30 out 2012

A natureza não é a responsável pela fuga dos nordestinos

Folha de São Paulo. Cotidiano, 30/10/2012. Maria Aparecida de Moraes Silva

20 out 2012

Formação regional e formação do território nacional como momentos contraditórios do processo de territorialização do capital

Boletim Paulista de Geografia, n. 92. Ana Carolina Gonçalves Leite Resumo Nesse texto, partimos do debate com o enunciado da formação territorial para fazer-lhe duas objeções. A primeira consiste na crítica ao primado que a política assume, enquanto dimensão aparentemente autônoma, na conformação do território e a segunda, numa crítica a uma apresentação de caráter ontológico da formação territorial. Dessas objeções resulta uma reflexão sobre a territorialização como processo do capital, enquanto relação social. Esse debate nos conduz, ainda, a […]

20 out 2012

Mulheres caipiras. Dois olhares sobre o mundo rural paulista

Caravelle (Toulouse), v. 1, p. 77-106, 2012 Maria Aparecida De Moraes Silva, Beatriz Medeiros De Melo e Lara Abrão De Moraes Resumo: A partir de pesquisas desenvolvidas em dois municípios do estado de São Paulo – Santo Antônio da Alegria, situado na região nordeste, e Jales, situado na região noroeste – com famílias de sitiantes, objetivamos analisar neste artigo os papéis desempenhados pelas mulheres na produção doméstica e mercantil, na preservação do patrimônio material (terra) e imaterial (festas, memória e tradições). A metodologia é baseada em […]

25 set 2012

A expansão da fazenda agropastoril como expediente para mobilizar o trabalho e promover a acumulação de capital regional e coronelista nas Minas Gerais da República Velha”

XV Seminário sobre a Economia Mineira. Texto apresentado por Ana Carolina Gonçalves Leite O estudo discute o caráter das relações de trabalho que substituíram a escravidão no Brasil, a partir da passagem para a segunda metade do século XIX. Partimos da crítica às análises que sugerem ter se consolidado o assalariamento e às que afirmam terem se constituído relações não-capitalistas de produção, para investigar os mecanismos de subordinação do trabalho que permitiram a acumulação de capital num contexto de ampla […]

20 set 2012

Encontrando as mulheres nos vãos da história

Revista Contemporânea, v. 2, n. 1 (2012) Maria Aparecida de Moraes Silva   Resumo O objetivo do presente artigo é dar visibilidade ao papel desempenhadopor mulheres que viveram nas primeiras décadas do século XX na cidadede São Carlos, cuja importância econômica advinha da cafeicultura e tambémde inúmeras atividades urbanas – comerciais e industriais. A metodologia empregadabaseou-se na coleta de dados em vários arquivos, além da história oral,cujo emprego permitiu não somente complementar as lacunas existentes dosdocumentos escritos como também, em […]

15 set 2012

Apresentação: Dossiê Memória Camponesa I

Ruris (Campinas). v.04, p.7 – 11, 2012 Carmen Silvia Andriolli, LOURENCO, F. A.

01 set 2012

Vidas en tránsito: mujeres migrantes de los palmerales de Maranhão en las ciudades de cañavelares paulistas

Maria Aparecida de Moraes Silva; Beatriz Medeiros de Melo. In: BENDINI, Mónica; STEIMBREGER, Norma; RADONICH, Martha; TSAKOUMAGKOS, Pedro. (Org.). Trabajo rural y travesías migratorias. Neuquén, Argentina: Editorial de la Universidad Nacional del Comahue, 2012, p. 201-236.

10 ago 2012

Expropriação e memória na região dos tabuleiros de cana

Revista Áskesis, v. 1, n.1, jan/jul 2012, p. 82-104, ISSN 2238-3069 Lúcio Vasconcellos de Verçoza Maria Aparecida de Moraes Silva Resumo: O presente estudo objetiva analisar o processo de expansão da lavoura canavieira para a região dos tabuleiros alagoanos, em face das transformações na estrutura fundiária e nas relações de trabalho. A referida expansão, iniciada na década de 1950, será abordada sob as óticas da memória, trabalho e resistência. Para atingir tal escopo, foram realizadas pesquisas bibliográficas e entrevistas com […]

10 ago 2012

Apresentação: Dossiê Memória Camponesa II

Ruris (Campinas)., v.5, p.7 – 12, 2012. Carmen Silvia Andriolli e Fernando Antonio Lourenço

17 abr 2012

Aquilombamento no Maranhão: um Rio Grande de (im)possibilidades

Tese de doutorado de Marivania Leonor Souza Furtado RESUMO: As comunidade quilombolas entram em cena, como sujeito de direitos específicos, ou seja, são-lhes garantidas formalmente suas diferenças, a partir da Constituição de 1988. Esse marco jurídico traz à tona outras demandas de análises para as disciplinas que estudam a questão “campo-cidade” no Brasil e de modo, particular, no Maranhão. Até então estudadas dentro da esfera do campesinato enquanto comunidades negras rurais, o contexto da promulgação da Constituição Cidadã condiciona a passagem […]